“Nós pensamos que iríamos ser alguma banda indie”, afirma Dan Smith


Em mais uma entrevista ao Digital Spy, a banda discutiu sobre o novo álbum, rivalidade e porque é um mito dizer que bons garotos acabam por último.





Vocês têm tocado Blame em muitos shows recentemente. Estará no novo álbum?
Dan: Eu espero que sim! É uma daquelas coisas que, em nossa última turnê no Reino Unido, começamos a tocar, além de outra música chamada 'Campus', e então nós pensamos 'Nós provavelmente deveríamos parar de tocar todas as nossas novidades’. A coisa é que, com o nosso próximo álbum – não com ele todo, mas uma parte – estamos usando mais guitarras, o que não fizemos no primeiro álbum. Realmente nos interessa tentar não nos repetirmos e ter muita variedade. Então, é bom ter momentos que são realmente de guitarra pesada para compensar todo o resto.

O que vocês normalmente fazem no pós-show?
Will: Comemos biscoitos.
Dan: Costumamos sair, algumas bebidas, nada revolucionário. Depende de onde estamos em turnê. Algumas vezes, o nosso produtor vem e nós trabalhamos em músicas.
Woody: Às vezes, jogamos críquete. Temos um conjunto que trazemos com a gente.
Kyle: É muito engraçado ver os seguranças alemães olhando confusos, porque eles nunca viram críquete antes. Eles olham como, 'O que estão fazendo esses caras’?
Dan: Eu não posso jogar críquete.
Will: Eu tentei jogar críquete. É assustador, a bola é realmente pesada e vem em você rápido.

Como está o novo álbum, vão liberá-lo neste ano ou no próximo?
Dan: No próximo ano. Nós temos outros materiais para este ano, mas o álbum... estamos muito ocupados trabalhando em outras coisas, vamos ver o que acontece. Nós temos um pouco de tempo em setembro, e iremos finalizar algumas coisas em estúdio. Estamos super ansiosos para divulgar novos materiais o mais rápido possível, porque estamos apenas animados com a nova produção, mas não temos absolutamente nenhuma idéia.
Will: Acho que somos encantadoramente ingênuos em relação à rapidez com que podemos divulgar novo material.
Woody: Nós somos como: ‘Sim, nós vamos gravar em setembro, e lançá-lo em outubro', mas há diversas coisas necessárias para isso acontecer... um pouco mais de planejamento.

Irão fazer outra mixtape nesse meio tempo?
Dan: Hmm, sem comentários... Hmm, sim, sem comentários... Mas ... talvez.

'Oblivion' é o último lançamento do álbum. É algo catártico?
Dan: Catártico, triste e um pouco assustador. Nós amamos a repercussão desse álbum, mas nossas expectativas não eram muito elevadas. Nós só pensamos que seríamos 'alguma banda indie', nunca imaginamos que as coisas que aconteceram nos dois últimos anos iriam acontecer. As coisas só foram crescendo, crescendo, crescendo, muito além das nossas expectativas. Eu acho que nós realmente tentamos aproveitar tudo isso, e agora que o álbum chegou ao fim novamente, assim como quando nosso primeiro álbum foi lançado, o futuro é um pouco incerto. Quem sabe o que vai acontecer? Quem sabe se o nosso próximo álbum vai mesmo ser lançado? Então, eu acho que é bom ser capaz de acabar com uma campanha com uma música que é diferente dos outros singles que fizemos.
Woody: Também é estranho pensar que, desde que a banda começou, desde o primeiro dia, temos trabalhado no sentido de lançar o álbum, e agora isso está feito.
Will: Eu realmente não tinha pensado sobre isso até você tocar no assunto, e agora estou apavorado.

Como vocês trabalham os conceitos para seus vídeos?
Dan: Nós fizemos todos eles em diferentes contextos. Queríamos sentir como as tramas se amarravam em tonalidade, temática e visual. Temos trabalhado com muitas pessoas diferentes... Neste vídeo (Oblivion), trabalhamos com um cara chamado Austin, que trabalhou no vídeo de Flaws e Laura Palmer também, então é bom terminar essa campanha com um amigo nosso. Apesar de nós não estarmos lá quando filmaram, o que é bastante estranho, porque foi a primeira vez que isso aconteceu. Foi muito bizarro.

Vocês dão muito suporte a novos músicos. É importante que os artistas se apóiem uns aos outros na indústria atual?
Dan: Penso que sim. Eu sou obcecado com música e novas músicas, e eu nunca sei o que dizer no Twitter, que não seja relacionado com a banda ou as coisas que estamos fazendo, e muitas vezes o que estou fazendo é ouvir música nova. Então, eu gosto de falar sobre isso, e sim, eu acho que é muito importante apoiar novas pessoas.

Vocês ganharam uma reputação merecida por serem agradáveis e humildes. Como é isso para vocês?
Will: Eu acho que a idéia dos caras legais acabando por último é um pouco de um mito. Eu nunca conheci alguém e foi, ‘Oh, ele é realmente bom ... Eu o odeio.’
Dan: Eu acho que nós tratamos as pessoas normalmente, e temos a sorte de viajar com nossa equipe. Nós nos conhecemos há muito tempo, e essa é a normalidade que se move em torno deste caminho. Essa é a coisa que nos mantém completamente sãos, é como viajar com a família, e é incrível. Acho que, basicamente, existem algumas bandas que sentem a necessidade de cultivar uma personalidade ou agir de determinada maneira ou qualquer outra coisa, e eu sinto que nós somos uma banda que sempre só fez a música que amava. Nós temos a sorte ter uma certa quantidade de sucesso sem ter que fazer nada além de fazer as músicas que fazemos e os vídeos que fazemos.

Will: É bom ser gentil. Dito isto, eu não deixo qualquer um dos nossos companheiros olhar para mim, eles têm de virar as costas quando eu entro em um quarto.




Tradução: Thalita (Bastille Brasil)
“Nós pensamos que iríamos ser alguma banda indie”, afirma Dan Smith “Nós pensamos que iríamos ser alguma banda indie”, afirma Dan Smith Reviewed by Defresi on 22:00 Rating: 5

Nenhum comentário